Dakar 2024: Após prólogo, Marcelo Medeiros largará em sétimo na primeira etapa

O piloto maranhense Marcelo Medeiros, da Tag Racing e tetracampeão do Sertões, deu o pontapé inicial na sua sexta participação no Rally Dakar, em sua 46ª edição, e conquistou a sétima posição entre os Quadriciclos nesta sexta-feira (5) disputada em Al’Ula, na Arábia Saudita. Com isso, o maranhense e seu Yamaha Raptor #177 podem traçar estratégias para sua participação na principal competição off-road do planeta, que larga para a primeira de suas 12 etapas, neste sábado (06), e tem chegada prevista em Yanbu em 19 de janeiro.

Em forma de anel, em torno de Al’Ula, entre rochas, areia e paisagens deslumbrantes, o prólogo com especial de 27 quilômetros serviu de aquecimento dos motores antes de enfrentar o percurso anunciado como exigente desde os primeiros dias de prova. Nesta sexta-feira, os deslocamentos tiveram total de 133 quilômetros, sendo 71 de inicial e 62 de final, totalizando um desafio de 160 quilômetros.

O roteiro terá aproximadamente 8 mil quilômetros, dos quais 4,7 mil são de trechos cronometrados. Este ano, o percurso do Dakar terá até 60% de trechos inéditos e em quase todas as etapas passam por dunas.

“Hoje, larguei bem e acabei passando os dois primeiros logo no começo. Eu estava abrindo a pista, mas no km 22 não peguei o way point. Optei por voltar, para não ser penalizado por uma punição maior, de 30 minutos, e isso fez com que eu perdesse muito tempo naprocura da referência indicada na planilha”, contou Medeiros. “É só um aquecimento, está tudo bem. Foi uma etapa boa, bem rápida, muita areia. Amanhã na primeira etapa vamos buscar evolução desde a largada para chegar mais à frente”, prometeu o piloto de São Luís (MA).

A primeira etapa será neste sábado, 06, com largada em Al’Ula e chegada em Al Henakiyah, é considerada difícil e cheio de ação e dará o tom da edição 2024 do Dakar. O percurso, traçado do zero, terá características geológicas nunca vistas antes na história do rali e serpenteará ao redor de vulcões, em uma paleta de tons minerais com todos tons de cinza. O desafio de 414 quilômetros promete já no início de corrida ser difícil suficiente para abrir grande lacunas entre os competidores.

O rali ainda contará com uma etapa de  de 48 horas, a sexta da edição, partindo e chegando em Shubaytah, na região desértica chamada de “Quarteirão Vazio” (Empty Quarter), no deserto Rub’Al Khali, que cobre 650 mil km², sendo a maior área contínua coberta de areia no mundo.

Dentro do Dakar, Marcelo Medeiros computou no ano passado quatro vitórias consecutivas e conclui na nona posição entre os quadriciclos. Em 2022, o piloto de São Luís (MA) completou em sexto em estreia na Arábia Saudita. O competidor da TAG Racing conta com outras três participações, quando a competição aconteceu na América do Sul. Em sua estreia, em 2016, e no ano seguinte o maranhense não finalizou a prova. Em 2018, ficou em quarto lugar entre os quadriciclos.

O Dakar 2024 conta pontos para o Mundial de Rally Cross Country (FIA e FIM).

Foto:Vinicius Branca/Fotop