Escola Barbosa de Godóis homenageia jogadora maranhense da seleção brasileira juvenil de handebol

A jogadora maranhense da Seleção Brasileira Juvenil de Handebol, Gilvana Nogueira, ex-aluna da Unidade integrada Barbosa de Godóis, escola da rede pública estadual de ensino, foi recebida com carinho pelos colegas, professores e gestora, na manhã desta sexta-feira (12), durante homenagem feita pela escola à atleta.
 
O secretário de Estado de Educação, Felipe Camarão, fez questão de prestigiar esse momento que é significativo para a atleta, para a escola e para o esporte maranhense. “É um ato simbólico de reconhecimento ao talento e ao esforço da Gilvana e ao trabalho que a escola faz com estes estudantes. Ao mesmo tempo, tudo isso aqui serve para reforçar o incentivo aos demais estudantes, para que eles percebam o papel do esporte na vida da juventude. O esporte ajuda a melhorar o desempenho escolar, isso é provado. E nós só temos que continuar incentivando essa juventude”, destacou o secretário.
 
A primeira camisa que a ‘meia esquerda’ vestiu como atleta da seleção brasileira foi colocada num quadro com moldura. E agora ocupa um lugar de destaque na parede da escola, onde Gilvana estudou do 6º ao 9º ano. Para marcar a homenagem houve até descerramento de placa.
 
Gilvana desembarcou na semana passada em São Luís depois de participar, com a seleção brasileira, do Campeonato Mundial Juvenil de Handebol na Eslovênia. Em abril a atleta já havia participado do Pan-Americano de Handebol Juvenil, no México, onde foi campeã. “Eu estou vivendo um momento muito importante na minha vida, que é representar o meu país e o meu estado em competições internacionais. Mas, eu só cheguei aqui porque tive muita vontade e por que tive a sorte de ter uma escola e um professor (Eduardo Teles) que me deram todo suporte pra seguir em frente. Estou muito feliz por essa homenagem. Significa que a escola reconhece meu esforço”, enfatizou Gilvana.
 
Para a gestora da escola, Venina Irineu Frazão, e o coordenador de esportes, Eduardo Teles, um dos grandes incentivadores da atleta, essa homenagem vai além de um reconhecimento ao esforço de Gilvana. “Isso aqui além de homenagear a nossa atleta, reconhecer o seu esforço e sua luta, é também uma forma de dizer a outros atletas que o caminho de Gilvana, pode ser o caminho de todos eles. Que há um caminho a trilhar e que se eles quiserem vão ter todo nosso apoio. Quem trabalhar mais, se dedicar mais, focar mais nos resultados vai alcançar seus objetivos”, disse Telles.
 
“Gilvana serve de incentivo para muitos dos nossos estudantes. Eles passam a acreditar que, se a colega deles, a menina que conviveu com eles pôde chegar à seleção brasileira, eles também podem. Basta lutar para isso. E o esporte tem ajudado a melhorar de uma forma surpreendente o desempenho escolar dos nossos alunos. Ajuda a melhorar as notas, a frequência escolar e a perspectiva de futuro. Isso é muito bom”, destacou a gestora da escola.
 
A homenagem a atleta foi uma das ações alusivas ao ‘Dia do Estudante’, que teve ainda o torneio esportivo interclasse, que contou com a presença das equipes masculina e feminina de handebol e de futsal da escola.
 
O secretário Felipe Camarão que aproveitou para conhecer e saber sobre as demandas da escola acompanhou uma das partidas. Ele disse que o incentivo ao esporte na escola é uma das prioridades do governo para a política de juventude, e que a Seduc trabalha em duas frentes de incentivo ao esporte na escola. “Primeiro, em parceria com a Secretaria de Esporte e Lazer, por meio do secretário Márcio Jardim, estamos ajudando na realização dos JEM’s. E segundo, por orientação do governador Flávio Dino, vamos incrementar essa prática de esporte nas escolas. Estamos trabalhando para inserir um ‘Projeto de Xadrez nas Escolas’, que será coordenado pelo grande enxadrista maranhense Rafael Leitão, além de outras ações que já estamos trabalhando”, disse o secretário de educação.
 
Escola Referência no handebol
 
A U.I. Barbosa de Godóis é referência no handebol estadual e até nacional, graças a um trabalho que foi iniciado em 2009 pelo professor Eduardo Teles. Quando começou há sete anos, o projeto envolvia 41 alunos. Na época a escola não tinha quadra, os treinos ocorriam na rua, ou em espaços emprestados. “Não tinha nem bola de handebol. Eu ensinei a eles como se faz bola de meia. E cada um, na sua casa, fazia sua bola de meia e treinava. Com três meses a gente foi terceiro lugar nos JEM’s de 2009. E os resultados foram chegando”, disse Eduardo Teles.
 
São muitos resultados! Hoje a escola tem uma quadra boa e as equipes colecionam títulos estaduais, regionais e nacionais. Entre os últimos, estão os de campeão e vice-campeão feminino infantil e juvenil de handebol na etapa regional dos JEM’s 2016; campeão dos ‘Jogos da Juventude’ de 2015; bi campeão da ‘Taça Campina Grande’ na Paraíba, também em 2015; campeão da ‘Taça Guerreiros das Alagoas’ em 2014.
 
Em sete anos a escola coleciona 141 troféus. Todo esse resultado tem trazido cada vez mais atletas para o projeto, que hoje, abraça 280 meninos e meninas que sonham em trilhar por caminhos mais seguros. É o caso de Wellington Araújo, 14, ala esquerda da equipe de handebol infantil. “O handebol tem mudado muito a minha forma de ser. Eu era meio rebelde, até em casa. Hoje eu tenho mais disciplina e quero muito chegar longe com esse esporte. A Gilvana nos inspira muito. Eu quero isso pra mim”, disse Wellington
 
A atleta
 
Gilvana Nogueira começou no handebol aos 11 anos. Em 2012, foi descoberta pelo professor Eduardo Teles, quando jogava pelo Alberto Pinheiro, escola municipal, onde estudava no centro da capital maranhense. “Eu vi que a Gilvana precisava de um suporte maior para treinar. Trouxemos a Gilvana para o Barbosa de Godóis. Ela tinha dificuldade com notas na escola, dificuldade em escrever. E aí nós trabalhamos com ela, não só a parte esportiva, mas, a questão educacional mesmo, com aulas de reforço na própria escola. E ela soube aproveitar”, pontua Teles.
 
Com apoio do professor, Gilvana foi para Natal, Rio Grande do Norte, onde passou um ano. Em 2015 de volta ao Barbosa, foi campeã dos Jogos da Juventude. E em março deste ano Gilvana foi convocada pela primeira vez pela seleção brasileira para jogar o Pan-Americano, no México.  E foi campeã. Era o início de um novo ciclo.
 
Giovana agora foi contratada pelo Clube Português, de Recife, Pernambuco. E já tem o foco lá na frente. “O meu foco é a seleção principal. É a próxima olimpíada. A Ana Paula é exemplo de que a gente pode sonhar”, disse a atleta.