Maranhão Esportes|Esporte Maranhense

Dois profissionais da Comissão Técnica do Imperatriz anunciam desligamento do clube

Alguma coisa está acontecendo no reino da Dinamarca do Cavalo de Aço. Depois de perder a maioria dos seus titulares, entre eles jogadores que já estavam com contrato assinado, como é o caso do volante Xaves, um que já estava treinando, Marquinhos Bala, desistiu de jogar futebol, assim sem mais nem menos, Gabriel Caju, que foi passar um fim de semana com familiares no Cajuapara, e não ter retornado, agora foi a vez de profissionais da comissão técnica anunciar desligamento do clube.

O auxiliar técnico Marcelo Copertino usou sua conta no Instagram para anunciar o seu desligamento da Sociedade Imperatriz de Desportos (SID). “Venho através dessa nota oficial informar que infelizmente não faço mais parte do clube”, postou Copertino, nesta terça-feira (24).

Outro que anunciou desligamento foi o analista de desempenho, Júnior Alves, profissional que pela primeira vez foi contratado pelo  Cavalo de Aço.

No caso de Marcelo Copertino, que foi contratado como auxiliar técnico fixo, ainda não se sabe qual teria sido a motivação. Entretanto, no que se refere ao analista de desempenho, Júnior Alves, ele disse que foi pego de surpresa. Um membro da diretoria do Imperatriz informou que a saída de Júnior Alves foi pelo fato do clube não ter condições de arcar com as exigências feitas pelo analista.

Marcelo Copertino era pessoa de extrema confiança da diretoria do Imperatriz, junto com Kobayashi. Estavam montando o time e de repente o clube fica sem o profissional. São fatos estranhos que não aconteceram no ano passado e esse ano, que não está batendo com a realidade que deveria estar a Sociedade Imperatriz de Desportos (SID), o Novo Cavalo de Aço. E isso quando ainda não tem sequer um mês de pré-temporada.

O técnico Paulinho Kobayashi viajou para Santos, onde residem os seus familiares, e se faz necessária uma indagação: ele retorna? Existe a dúvida porque algo está errado no reino da Dinamarca Cavalina.

Fonte: Dema de Oliveira O Progresso