Piloto Marcelo Medeiros segue para a terceira etapa do Rally dos Sertões

Após largar na pole da categoria Quadriciclos no Rally dos Sertões, em Goiânia, o maranhense Marcelo Medeiros iniciou muito bem nessa que é a maior prova de off road do Brasil.

Ele venceu o prólogo o que garantiu a largada na pole, e acabou a primeira etapa especial com o tempo de 01:48:55, com folgados seis minutos de diferença do segundo colocado, que foi Diogo Zonato. Os primeiros 364,5 quilômetros dos 3.212 que compõem o roteiro do Rally dos Sertões 2016 foram cumpridos no último domingo (04.09), entre Goiânia (GO) e Padre Bernardo (GO). Ramon Sacilotti, nas Motos; Cristian Baumgart e Beco Andreotti, nos Carros; Cristiano Batista e Robledo Nicoletti, nos UTVs, e Marcelo Medeiros, nos Quadriciclos, foram os vencedores.

“Nessa etapa tive que ultrapassar também algumas motos no percurso, e foi preciso muita cautela, mas graças a Deus garantimos esse tempo e a primeira colocação. Foi uma etapa curta, com 111 quilômetros (de trecho cronometrado), mas bem trabalhosa. Com muitas curvas, pedras e lajes, que exigia cuidado. Chegamos inteiros e sem erros de navegação. Começamos bem, mas ainda é muito cedo. O Rally dos Sertões é uma prova imprevisível, por isso temos de nos manter bem focados”, explicou o piloto e atual Bi-Campeão dos Quadris no Rally dos Sertões, que conta com o patrocínio da CEMAR e do Governo do MA, Via Lei Estadual de Incentivo ao Esporte.

Nessa segunda – feira (05.09) os pilotos disputaram a segunda etapa, no trecho que foi até de Padre Bernardo a Cavalcante (GO). E mais uma vez o maranhense garantiu outra vitória entre os 14 Quadriciclos da disputa, mantendo-se até o momento invicto em sua categoria.

Para a terça – feira (06.09), o trajeto de Cavalcante (GO) até Posse(GO) será mais uma especial muito técnica e complicada. No início haverá estradas sinuosas, com muitas erosões e depressões. A prova prossegue por uma região montanhosa, com muitas subidas e descidas fortes e com trechos de trial. A prova se mantém  sinuosa por estradas menores e com velocidade média. Mais à frente, prossegue por estradas de alta velocidade.  O roteiro alterna trechos de média e alta velocidade, com muita navegação até o último trecho, onde a velocidade aumenta novamente e segue assim até o final. O piso predominante é o de cascalho. Porém, com muitas pedras, estradas de piçarra e pequenos trechos de areia.