Presidente Sergio Frota esclarece acordo envolvendo o terreno do CT

Desde a ocupação irregular em sua sede, há cerca de um mês, o terreno do Sampaio vem sendo alvo de insinuações, dos mais diversos segmentos. Fatos que geraram controvérsias e até dúvidas quanto à idoneidade da administração Tricolor.

Um exemplo a ser ressaltado foi a notícia em destaque na capa do jornal O Imparcial, que divulga como se fosse um fato revelador, a venda do terreno do Sampaio para a empresa Hispamix Brasil Investimentos LTDA. Uma situação que ocorreu dentro das legalidades e que, em nenhuma circunstância, traria prejuízos ao clube.

“Estão tratando o caso como um fato nebuloso. Fizemos um contrato, sim, com a empresaHispamix e foi justamente esse acordo financeiro que viabilizou a campanha exitosa do time em 2012. Do montante envolvido na negociação, recebemos R$ 2 milhões em dinheiro, que investimos no departamento de futebol do clube – não à toa, conquistamos a Série D invictos. Ficamos com 5 hectares do terreno (que só ainda não estão em nome do clube, porque só este ano obtivemos a negociação de todas as nossas dívidas), pelo valor de R$ 1 milhão e 750 mil, e a Hispamix ainda nos deve R$ 3 milhões, que serão utilizados para fazer uma grande reestruturação no nosso Centro de Treinamento, com alojamentos, campos de futebol, quadra poliesportiva, área de vivência para integrar o sócio, além de restaurantes e outros benefícios. O único impasse que existe entre o Sampaio Corrêa e a empresa, o que justifica o atraso no início das obras, é uma discordância em relação ao projeto. Pois na parte do terreno que cabe à Hispamix, será construído um condomínio que também beneficiará o clube com sua estrutura. E nós não concordamos com os projetos até então apresentados. Razão pela qual, inclusive, não achamos conveniente fazer uma divulgação desse acordo, sem ter uma concepção concreta em mãos”.

Frota vai além e revela que seus atos têm o objetivo de resguardar o patrimônio do clube: “Essa área nunca esteve no nome do Sampaio e já foi invadida várias vezes. Caso estivesse, já teria sido penhorada, há muito tempo, devido a diversas dívidas acumuladas em gestões anteriores. Somente em março desse ano, depois de 94 meses à frente do clube, e um grande trabalho de engenharia financeira, conseguimos obter a nossa regularidade fiscal (INSS, FGTS, Dívida Ativa, Justiça do Trabalho) em uma dívida que ultrapassava R$ 10 milhões. Esse tipo de coisa, o pessoal não comenta muito, não dá grande importância, mas só essa regularização já nos custou mais 2 milhões de reais, em dividas que foram herdadas pela nossa administração”, afirmou o presidente.

Com o time atravessando grande fase no Campeonato Brasileiro, Sergio Frota teme que problemas extracampo prejudiquem a campanha da Bolívia na Série B: “Estamos apostando em um sonho, que não é só meu, mas sim de toda a torcida Tricolor e de quem acredita no futebol maranhense. O Sampaio na Série A vai trazer ainda mais benefícios para o Maranhão, com a geração de milhares de empregos diretos e indiretos, principalmente com o impulsionamento do turismo, além de divulgar o Estado com uma marca positiva no cenário nacional. É uma pena que questões orquestradas, com o único intuito de me enfraquecer politicamente, sejam manipuladas com a intenção de enterrar esse nosso objetivo. Quero deixar claro, mais uma vez, que não sou político. Estou político, e faço isso pelo Sampaio. Mas nós não vamos fraquejar”, apontou.

Sergio relembra o momento em que assumiu o Sampaio, e faz um comparativo com os dias atuais: “O Sampaio ainda está muito longe do que se espera de um grande clube de futebol, em termos de estrutura. Mas, quando cheguei aqui, posso dizer que encontrei uma terra arrasada. Nossa equipe não tinha nem água encanada para tomar banho, e os atletas tomavam banho no mato. Hoje, já podemos oferecer condições de trabalho decentes aos nossos jogadores e comissão técnica, mesmo com todas as dificuldades. Evito falar em sacrifícios pessoais que faço para manter o clube de pé, mas chegou-se a um estágio que é preciso frisar: ainda hoje, pago um empréstimo de crédito consignado como vereador no valor de R$ 200.000,00, que usei para pagar folha de pessoal em 2013. Já fui obrigado a fazer essa operação novamente, desta vez, como deputado, no valor de R$ 400.000,00, para tentar manter os salários em dia. Não se trata de demagogia. Faço isso por amor e por acreditar em um ideal”, afirmou o presidente.

Por fim, Frota lembra que há forças contrárias à ascensão do Sampaio, mas não se deixa abater:“Há quem interessa toda essa movimentação negativa em torno do Sampaio? Essas mesmas pessoas que promoveram a invasão no terreno do clube, e não querem que o Governo cumpra uma ordem judicial de reintegração, estão por trás disso. Mas, é como diz aquele velho provérbio: ‘Para alguns amar, outros precisam odiar. E nós vamos seguindo a luta em busca do nosso sonho que é a Série A”.